13Trindade e Paraty

Neste último episódio da série desembarcamos em Paraty, sede do mais importante porto do Brasil até o início de 1800.

Da cidade fluminense, os portugueses partiam para a procura incansável de pedras preciosas nas Minas Gerais. A colonização portuguesa deixou muitos resquícios no país, entre eles a cachaça. No século XVIII, Paraty foi um grande produtor da bebida tipicamente brasileira. Quem nos conta essa história são os produtores Lúcio e Maria Izabel, donos dos últimos alambiques ainda em funcionamento na região. Em seguida, contornamos o litoral e chegamos em Trindade, terra dos Caiçaras – resultado da miscigenação entre índios, brancos e negros. Com o seu Vítor e o Robson vamos conhecer a beleza e utilidade da canoa caiçara, transporte feito dentro de um único tronco de árvore. E até hoje, o povoado utiliza a embarcação para a subsistência deles. Vamos aprender ainda como se faz uma rede e um cerco para pescaria. Tudo dentro da técnica caiçara como nos conta o jovem pescador Renan. Com o senhor Roberto vamos descobrir os segredos de uma boa rede de pescar.

Nessa viagem é impossível não se encantar pela paixão e pela riqueza da cultura dos nossos povos.



 
Ofícios: 

Cachaça 
Canoa 
Rede e Cerco


Personagens: 

Lúcio Gama Freire, engenheiro civil 
Maria Izabel – produtora de cachaça  
Robson Dias Possidonio – pescador 
Seu Vítor – pescador 
Renan Rosa da Cruz, marinheiro e pescador 
Roberto do Carmo, pescador